terça-feira, 30 de junho de 2015

Teus

Minha poesia anda se escancarando por aí. Perdeu a vergonha: exala cheiros e tem tremores.  Minha poesia verte pensamentos mundanos, desejos.  Perdeu os pudores, os medos... Quer ser lida, devorada, com vontade, e eriçar teus pelos. Dela escorrem palavras obscenas e molhadas, como minha intimidade que lambuza teu falo, teus dedos.

Maria Lemke

Um comentário:

  1. USE E ABUSE E SE LAMBUZE DO ORVALHAR DESTE GRAFITAR NADA AMIÚDE!!
    BOA TARDE BJOS
    (e não é loucura da joaninha)

    ResponderExcluir