domingo, 25 de janeiro de 2015

Carne trêmula


Corpos suados, saliva entre dentes, 
pele arrepiada, quadril arqueado,
contato de língua, passeando num cantinho nada inocente,
 respiração entrecortada, palavras sem nexo, 
sexo molhado de vontade.
Carne trêmula recebendo gozo quente.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

domingo, 4 de janeiro de 2015

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Contudo ou com tudo

Sou metade criada a partir de dois. Sou dores nascidas de vários cacos de um só vidro quebrado a rolar pelo chão. Um não cheio de sim, metade incerteza. Certa de meus poréns, com tudo de todas metades e tudo que há em mim.     

Maria Lemke

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

E(quí)voco

Joguei fora muitos escritos, muitos continham antigas verdades; outros, equívocos e enganos  de minha memória fugidia e infiel. Sobraram letras trêmulas a contar quereres e veleidades, en-cantos de olhares enviesados, transformados em toscos poemas, lavrados em velhos pedaços de papel.

Maria Lemke