segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Rapidinha XII - BordeAUX

Embriagar-se com uma taça de bordeaux é sempre mais prudente, e interessante, do que mergulhar em gente rasa.
Maria Lemke

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

POEsia boca à boca

Poesia sacana não tem vergonha, palavras bonitas ou floreadas. Poesia sacana sequer tem roupa. Não usa lingerie: Tem calcinha no chão, braguilha aberta. Mão naquilo, aquilo na mão. Poesia sacana tem até número: De quatro a meia-nove. Poesia sacana não aguenta espera. Poesia sacana tem gritos e voz rouca. Poesia sacana tem sede, saliva, gozo, esperma. Poeta, sem-vergonha, beija, molha, escorre quente. Boca à boca.
Maria Lemke

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Tantos (e) Tintos

Alguns versos podem não ter regras, sequer rimas. Algumas taças podem não ter medidas.
Em versos sem regras, uma dose de tinto. Em taças de vinho sem medida, um tanto a se revelar.
Sem querer - quem vai saber?- em ambos os casos, há segredos que podem te fazer corar.

Maria Lemke

terça-feira, 13 de outubro de 2015

MirrOR GLASS

Todo vidro que se quebra mostra que, quando tentamos restaurá-lo, já não é o que foi. Mas quem sabe, seja algo mais...algo que poderia ter sido: MIrrOR.
Maria Lemke

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

desORdeNADA - ou momento Bukowski

O mundo é uma merda. Aceite isso: Boiamos nessa grande massa de pensamentos, sentimentos, quereres, gritos, silêncios, eventuais cios, CIAS indispostas, camas, casos mal resolvidos, corações despedaçados ao longo do caminho, esperanças afogadas em pranto...enfim, em dores que doem o quanto basta... nessa porra toda que chamam de vida.
Maria Lemke