domingo, 21 de setembro de 2014

Ser-tão - de quem ama


Sertão não é silêncio... é ruído
É redemoinho: folhas secas dançando do solo ao céu
Torvelinho de emoções
O uivo da loba
Calor de setembro: corpo lânguido
Lua sangrando, grande e quase inteira. 
Terra vermelha e nua
Vento quente penetrando buritizal
Sertão é magia, segredo e paixão...
Sertão é urgência...
Sertão não é silêncio...
é temporal no verão, é ruído e cor...
Trovoada. Toada...
Na seca, é o ipê explodindo em flor!

Maria Lemke

Um comentário:

  1. Belo texto,como sempre!
    Agradecida também pelo carinho
    no meu novo espaço Maria.
    Beijos! :)

    ResponderExcluir